Descida do Rio Vouga

Descida Rio Vouga

Este blogue têm andado um bocado parado e nada melhor para o reanimar que um pequeno relato de um dia passado num rio fantástico que está prestes a ser alterado radicalmente pela mão do homem.
A construção de barragens na zona do vale do Vouga vai submergir cerca de 40kms de rios entre eles Rio Vouga, Rio Teixeira, Rio Gaia, Rio Gresso e fazer desaparecer algumas das mais belas paisagens do centro do país assim como a prática de desportos que os mesmos proporcionam.
Assim sendo aproveitei possivelmente uma das últimas oportunidades para fazer esta sucessão de pequenos rápidos, desde a foz do rio Teixeira à Quinta do Barco em Pessegueiro do Vouga, organizado pela Associação Cultural e Social de Couto de Esteves.
Foi a minha primeira experiência neste tipo de desporto e foi uma terapia de choque. É que a empresa contratada pela organização, a Turnauga, assumiu que todos tinham experiência e não quaisquer indicações sobre a forma como utilizar o kayak. Alguns monitores assumiram uma atitude de reprovação constante, acenando a cabeça e gritando com os participantes que também não me pareceu apropriada a uma empresa. Bem, restou-me o instinto para levar o barco a bom porto, não sem antes ir umas quatro vezes à agua. Também poucos foram os que não viraram o kayak.
De qualquer forma foi um dia espectacular, no meio de velhos amigos, a admirar as belas margens do rio. A sucessão de rápidos acabou por meter menos medo do que aquele que eu pensava que teria, as zonas de água mais parada obrigaram a um maior esforço ao pagaiar causando dores musculares no dia seguinte. Apesar de não saber nadar em condições não me senti desconfortável dentro de água. Claro que também não me aventurei a saltar de cima de um rochedo a vários metros de altura como alguns fizeram. Curiosidade: alguns daqueles que por aqueles lados habitam, habituados ao rio, apanharam peixes à mão nas margens pouco profundas do rio. Fotografias é que ainda não tenho, a minha máquina digital não é à prova de água e não conheço aqueles que se aventuraram a levar a máquina para a água. Se entretanto arranjar coloco aqui.
No fim um almoço de grelhados bem regado finalizado com uma salada de fruta de onde se salientam os Mirtilos. Já agora, sobre este pequeno fruto, consultar o site da Feira do Mirtilo de Sever do Vouga.
O resto da tarde foi passado na conversa com os amigos no café da praia do Barco. Uma experiência a repetir. Talvez primeiro aprender a nadar 🙂

Autor: rui

Partilha no

Comenta:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *