Cubos de bicicleta e transmissões

As mudanças de bicicleta podem ser de dois tipos: internas e externas. As internas ficam dentro do cubo da roda. O cubo é a peça onde encaixam os raios e, apoiado em esferas, permite o movimento da roda completa. Este tipo de mudanças está protegido de agressões como agua, pedras, poeira e a sua manutenção é reduzida apesar de, quando necessária, algo complicada.
As mudanças externas são sensíveis aos elementos naturais e tem uma manutenção elevada mas relativamente fácil. Não estão aqui todos os modelos de todas as marcas, apenas uma vista geral.

Transmissão convencional do mundo do ciclismo e btt

Cassete + desviador: é a forma mais usual de transmissão nos nossos dias. Um conjunto de rodas dentadas e um aparelho que faz a corrente saltar de roda em roda. Como é óbvio não se pode mudar de mudança parado pois ao pedalar para trás para arrancar o desviador está desviado da roda dentada que tem a corrente da mudança anterior logo esta não vai correr. Este tipo de transmissão entra num eixo estreado e pode-se substituir alguns elementos da cassete dependendo do modelo. Todos conhecem as marcas mais comerciais: sram e shimano

Desviador Sramcassete sram

Shimano NEXAVE: sim, existem mudanças automáticas e cá estão elas… ou mais ou menos. Dedicado ao ciclismo citadino é um sistema de desviadores controlado por um computador. Curiosidade: a energia necessária para o sistema funcionar é gerada por um dínamo no cubo, é amigo do ambiente.
Shimano NEXAVE

Transmissão com cubos de mudanças internas

Cubos Sturmey-Archer: estes todos conhecem mesmo sem saber. São os cubos que equipam na sua maioria as bicicletas dos nossos avôs, as famosas bicicletas pasteleiras de três velocidades. São cubos de mudanças internas ou seja, toda o mecanismo de relações está dentro do próprio cubo. A corrente está sempre numa roda dentada fixa. Isto possibilita a passagem das mudanças mesmo parado. Não sei muito bem onde comprar dos novos mas é uma questão de perguntar nas lojas de bicicletas mais viradas para o passeio.

Cubo Sturmey-Archer

Cubo NuVinci: nova tecnologia bastante interessante à primeira vista. Gostava de experimentar mas não sei se existe isso em Portugal. É um cubo de mudanças internas mas a maneira como estas são passadas é que é novidade. É uma transmissão continua sem posições pré-definidas como os outros géneros. Imaginem que ao rodar o punho não rodam para a mudança 1,2,3, etc mas para uma posição ao vosso gosto. Cada movimento do pulso corresponde a uma força diferente na roda. Esta marca bastante cara vende as suas bicicletas com este cubo: Ellsworthride.

Cubo

Rohloff SPEEDHUB 500/14: outros cubos modernos de mudanças internas. Tem as vantagens das mudanças internas referidas anteriormente e estes são fabricados para a prática de BTT! Tem ainda a vantagem de ter todas as relações de uma bicicleta moderna dentro do cubo. Os preços são muito pouco acessíveis, para cima dos 1000€. São representados em Portugal pela Ciclonatur

Cubos Rohloff

Sram I-Motion e Shimano Nexus: é a linha da Shimano de cubos com mudanças internas semelhantes ao Sturmey Archer. Devem ser mais fáceis de adquirir. Existem desde 3 a 8 mudanças sendo que a SRAM tem 9. Aquelas alavancas que se vêm na imagem são travões contra pedal.

Shimano Nexus

Shimano Auto DUma solução compacta, um tudo em um automático

Shimano Alfine: este subo de mudanças internas anda a fazer furor pelo mundo do btt. Relativamente barato (pouco acima dos 200€) dá provas de que, apesar de a Shimano não o recomendar, aguenta um tratamento mais agressivo.
É imperativo ler a excelente análise ao Shimano Alfine feita pelo 350plus no Forumbtt.

Autor: rui

Partilha no

1 Comment

  1. Gostei muito, está muito bem tipificado e o assuntos sem grande necessidade de aprofundamento, eu procuro é material para um cubo identico ao Sturmey mas o meu é Sachs de três velocidades. Preciso do parafuso e da corrente que faz a ligação com o cabo.

    [Responder]

Comenta:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *